Faz-me Um Bife
 
Miguelito já te tenho dito!
"Michael Jackson deslocou um ombro quando foi algemado no momento da sua detenção por abuso sexual de crianças. «Está a doer-me muito», revelou Jackson numa entrevista ao programa "60 Minutes" da CBS. «Sinto dores a todo o momento». (...) «Supostamente eles deveriam entrar e ver apenas impressões digitais e fazer o que costumam fazer quando prendem alguém. Eles trataram-me de uma forma muito dura. O meu ombro está deslocado, literalmente»"

Ó meus amigos, tenham cuidado. Quer dizer, anda aqui um gajo a violar criancinhas e aínda é mal tratado. Não há direito!


Para mais hilariantes citações carreguem no boneco abaixo




 
Bifes vários.
O natal já passou. Resta-nos agora disfrutar dos bifes que nos ofereceram. No meu caso, tenho disfrutado de um um tártaro e de um bem passado com molho "à l' entrecôte":


Charlie Christian - Seven Come Eleven
Uma grande compilação de um grande guitarrista. Temas tocados com a orquestra de Benny Goodman entre 1939 e 1941. Morreu com 25 anos de tuberculose, mas teve tempo de ser o primeiro a pôr guitarra electrica no jazz!


Dead Kennedys - In God We Trust Inc. The Lost Tapes
Em 1981 os DK entraram em estúdio. Na mixagem, repararam que a fita de som se tinha deteriorado. Passados 20 anos, com as técnicas actuais foi possível recuperar o som dessa fita. O resultado, e muito mais, está neste dvd com 60minutos de duração.

Dois bifes que à primeira vista não têm nada a ver, mas que bem lá no fundo se juntam num ínfimo sabor a carne!



 
Cof!Cof!Cof!
Já experimentaram ir ver um concerto de música erudita? Desafio-os. Reparem que cada vez que os músicos param de tocar, cerca de 1000 pessoas tossem repetidamente, como se tivessem um grave problema pulmonar. Torna-se tudo muito mais claro, quando na vinda para casa, deparamos com capas de revistas cor-de-rosa em que vemos o Gonçalo Maria Telles da Fonseca Mayor Jardim (personagem completamente desconhecida por 10 milhões de portugueses) a fazer pose numa viagem ao Brasil. Qualquer dia vemos por aí escrito nas paredes: "Queres dar nas vistas? Não tens vergonha na cara? Não queres ter mais que o 12º ou estás a estudar numa faculdade privada? Então vem à ópera olhar para o tecto e tossir quando os músicos param de tocar". Haja inteligência!



 
Vida!
Voltei de férias. Reconheci ontem uma velhota que me deu vontade de viver (Até parece que eu estou a morrer). Cada vez que olhava para ela, via nela um sorriso impressionante, uma vontade de viver até sempre. Fiquei maravilhado e cheio de vontade de partilhar isto com vocês. Embora não saiba quem nos lê. Alguém nos lê?



 
3 dias...
Despeço-me por 3 dias com uma letra sobre o natal dos The Vandals. Ora então aqui vai ela:

I don't believe in Santa Clause, his corporate image forced upon
The blinded spending masses, to enslave the lower classes
With obligatory gifts that serve to cleanse a year of guilt and shame.
One token gesture justifies, the apathetic, hypnotized.
Leaving them to be Kris Kringle's slaves.

Buy! Buy! I won't do it. The seasons obligation has not my participation.
Buy! Buy! I won't do it. The money hungry mating call of corporate swine.

Cuz It's only for the money! It's only for the money! It's only for the money! It's only for the money! Now Buy!!!

He monitors naughty and nice, Big brother is St. Nick!
Methodically his judgment made, documented on his list.
I Don't believe in Santa Clause, or his mystical facade
To teach the children wanton greed, they're lust for gifts becomes a need.
Brainwashed by the marketing, and victims of the corporate scheme.
Material possessions becoming they're obsessions
Till human life has lost it's value, and you blindly do just what they tell you!

I don't believe!!!!

His tactics of intimidation repress the minds of youth
Using fear for generations, His image hides the truth
He's just a puppet for the system, a glutton in a suit
With Yuletide propaganda and a bearded mask to boot!




 
Radiofonias
Será que os gajos que fazem os anuncios para as radios não têm bom gosto? Ou será que são apenas anormais?



 
Natal dos hospitais
Muito se tem falado do polemico Natal dos hospitais. Porquê? Reparem que os músicos, vigorosos(as) jovens de 30 anos que saltam, pulam e fazem o pino (ao mesmo tempo), pedem constantemente aos doentes, jovens de 15 anos, que passaram a vida toda numa cadeira de rodas, para bater palmas e cantar. Mas estamos onde? Caso não tenham reparado, o vosso público precisa de ajuda para ir à casa de banho. Acham que estes conseguem aguentar 2 minutos a bater palmas? Os músicos haviam de ser atropelados por uma cadeira de rodas para verem o que é bom.



 
Soltas
Alguns dos temas que não me têm saído da cabeça nos últimos tempos:

All - Honey Peeps (Mass Nerder - 1998)
Amon Tobin - Percursor (Supermodified - 2000)
A Perfect Circle - The Package (13th Step - 2003)
Descendents - Pep Talk (All - 1987)
John Zorn - Kilayim (Masada 10: Yod - 1998)
Mars Volta - Take The Veil Cerpin Taxt (De-Loused in the Comatorium - 2003)
Pearl Jam - Gremmie Out Of Control (M.O.M., Vol. 1: Music for Our Mother Ocean - 1996)
The Legendary Tiger Man - Naked Blues (Naked Blues - 2002)



 
Menção com lag
Chamou-me um amigo de traidor após ter lido o meu post dos tops. Reivindacava ele um lugar de destaque no top dos concertos para os Lagwagon na voz do operário. Pois bem, faço-lhe a vontade parcialmente. Menção honrosa para o quinteto de punk/hardcore melódico californiano.



 
Letras.
Um pequeno aparte, e um grande bife para o senhor Nimby por ter feito uma referência a um dos maiores escritores do século XX. Aqui vai uma citação em homenagem a Gabriel Garcia Marquez.

"Voltou a si com a sensação de que uma broca lhe subia pela espinha. Naquele momento teve consciência de seu peso total: juntos, o peso de seu corpo, de suas culpas e de sua idade" in Os Funerais da Mamãe Grande



 
Alguém que avise o vocalista de Muse que está a respirar ruidosamente para o microfone a todas as músicas, e que isso, muito frequentemente, não é bom. Para ser franco, até é extraordinariamente irritante.



 
Mamas
Alinhando em clichés, aqui vão os meus 2 tops musicais para o ano de 2003. Top 5 cds e top 5 concertos. Enjoy e comentem!

Top 5 cds 2003:
- a perfect circle -> 13th step
- radiohead -> hail to the thief
- kristeen young -> breasticles
- massive attack -> 100th window
- kill bill -> OST

top 5 concertos 2003:
- mars volta @ garage
- mad caddies @ voz do operario
- zita swoon @ garage
- massive attack @ coliseu de lisboa
- primitive reason @ lotus bar



 
15 Anos
Parabéns ao Bar Até Qu'Enfim, em Santos, pelos 15 anos de existência. É um dos poucos bares de música ao vivo de Lisboa que alberga alguns músicos muito decentes. Estes, por sinal, não precisaram da famosa (e tão amada pelos portugueses) cunha/relação parentesca com um "famoso"qualquer/presença em criminosos programas televisivos, para se fazerem um nome.



 
DF
Não é ironico que um artista (?) como o David Fonseca tenha gravado um album chamado "Sing me something new" quando não canta nada de novo?



 
Objectivo marte?
Vi agora um video de um tal de Gonçalo Pereira (ao que parece é o melhor guitarrista electrico português), e pensei...
"Ora merda, então isto é musica? Qual é o objectivo disto? Não era suposto haver uma qualquer transmissão de uma mensagem?" Não vejo onde é que um gajo que toca 5 notas por segundo transmite alguma coisa a não ser suor.



 
« Le talent, c’est avoir l’envie de faire quelque chose. » Jacques Brel



 
Irak
O que ouvia o Saddam quando foi preso pelas tropas americanas? Obituary? dEUS? Bad Religion? Payable On Death? ZZ top? Massive Attack? Incubus? Yes? Ervas Daninhas? Sepultura? Ou seria Bush? Dá que pensar. O que acham?



 
Post
Lembrei-me hoje que post faz lembrar posta que faz lembrar bife. Está tudo ligado.



 
Música?
Porque é que o Santana Lopes insiste em impingir os seus gostos musicais à baixa lisboeta? Não há centros comerciais de sobra? Porque é que se insiste cada vez mais no conceito de centro comercial, quando o português está cada vez mais com menos dinheiro? E estranhamente, porque é que o português gasta cada vez mais dinheiro, quando não o tem? Ora pensem...



 
I'll swallow poison until I grow immune
Pearl Jam: live at the garden, mais um festim eterno que nos coloca numa direcção que, não tendo a pretensão de afirmar que é a certa, é a possível num universo de sentido e de sentimento.



 
Toda a verdade II: Blitzó-queijó-anormal
Há semanas atrás confirmou-se o que já suspeitava. O Blitz não passa de um jornal escrito por pseudo-intelectuo-frustrado-musicos. A luz acendeu-se quando lia os comentários de várias personalidades musicais sobre o primeiro aniversário da Rocksound. Estava eu lendo os comentários, quando me deparo com o mais escandaloso destes. Uma falta de profissionalismo, uma birra da pior da parte de um senhor (por sinal, importante) do Blitz. O senhor devia-se olhar ao espelho de vez em quando! Afirma directa e indirectamente que os jornalistas da Rocksound são jovens imaturos. Porquê? Porque não escrevem frases de 10 linhas sem pôr uma única virgula? Porque sabem escrever simples e directo? Porque não criam palavras (lá está a veia frustrada de escritor) como jazz-folk-anos20-progressivo-ska-sahara-sutra -blitz-bronco?
Acho que no meio disto, a maior parte dos colaboradores do blitz devia começar a fazer a barba. Isto é, se a tiver.



 
É um crazy...
Compararam o meu amigo Belerofonte ao senhor Pacheco Pereira, por causa do uso de palavras como en bref ou muy. Mas sinceramente (e espero que o senhor abrupto esteja a ler isto), acho-o um wannabe de first class que nem parler sabe. Ele que aprenda connosco.



 
Sobrevivência (ou não) da cultura regional
No outro dia (no canal nacional menos visto da caixa para idiotas) falou-se en bref sobre a tentativa de alguns grupos díspares e difusos de ressuscitarem a música regional: o caso era sobre a polifonia occitana. Todos achavam muy bem. Mas ninguém ouve tal coisa.
Porque achamos necessário que se mantenham coisas que ninguém vai alguma vez adoptar? Talvez alguém ache piada e compre um CD a uns músicos nas ruas de Perpignan, mas não muito mais. Será que as pessoas passam a ouvir polifonia occitana porque insistimos em mantê-la viva? Tanto bate...



 
Revivalismos...
Vamos parar para pensar. Falando a sério. O que é isso dos revivalismos? Está na moda? Então, mas não estava na moda há 20 anos? Será que era mesmo necessário revivalizar? Mil nãos! Sou um defensor incansável da invenção. Acho, por consequente, que toda a onda rock 'n roll que re-apareceu agora é desnecessária musicalmente. Mas não espiritualmente. Se as pessoas querem ouvir rock, que ouçam o antigo. Não percebo para que é que se está a martelar uma coisa que já foi martelada 1001 vezes no passado. Era o mesmo que pegar no grunge daqui a 10 anos e criar (se se pode falar em criação) bandas, dando a entender que seria uma coisa completamente nova.

Don't imitate, innovate.



 
Teobifes...
O que é um bife? Será um simples bocado de carne cortado sem piedade e levado posteriormente a uma aquecedura? Não! Discordo! Um bife é isso e muito mais! Ninguém o diz (por simples ignorancia), mas repara-se que o bife simboliza a grandiosidade e a qualidade em todas as questões. Sócrates costumava dizer: "Hoje escrevi um belo bife. É tempo agora de digerir um outro!". Beethoven costumava dizer também: "Concluí o meu nono bife hoje. Marie, mostra-me o teu bife!". Enfim, até à primeira revolução industrial, tudo era centrado em bifes. Infelizmente, hoje em dia já ninguém pensa em bifes como deuses. Só se pensa em comer.



 
Toda a verdade...
Dou por inaugurada desde já uma rubrica (leia-se rubríca), que tem como objectivo principal denunciar certas verdades, nunca antes denunciadas ao público, simplesmente por interesse dos media.
Começando por um tema actual. Aínda hoje li num jornal internautico (não vou dizer o nome, mas só o nome é de desconfiar: cotonete) em relação ao concerto dos Doors dontem, "as composições geniais de Morisson". Mas quais composições? O gajo só dava a voz. Claro que dava alma também, mas quem compunha as músicas era o senhor Ray Manzarek, o senhor das teclas. E chateia-me ler jornalistas musicais de terceira, armados em jornalistas de primeira, quando não passam de uns sopradores de cornetas enferrujadas. Mas diverte-me ao mesmo tempo, ver jornalistas de terceira, a serem gozados por jornalistas de oitava, como eu.



 
Estilos musicais...
Ao pronunciarmos certas palavras correspondentes a "estilos musicais", despertam-se em nós diferentes ideias que estão associadas a essas palavras no nosso cérebro. Soul, faz lembrar sexo anal por exemplo. Hard Rock faz lembrar cabelo comprido "à leão". Metal faz lembrar uns gajos vestidos de preto, pintados com sangue a escorrer pela boca. Rap faz lembrar gajas de bikini. Punk faz lembrar cristas. Jazz faz lembrar mentecaptos. Boysband faz lembrar gays. Mas no fundo são todas ideias erradas, excepto esta última.



 
Portas...
O concerto de Doors despertou em mim muitas questões, escondidas algures no meu inconsciente. Será que o Paulo Portas gosta de The Doors? Será que o Ferro Rodrigues gosta de Iron Maiden? Será que o Luís Boa Morte gosta de Megadeth? E por fim, será que o Carlos Cruz gosta de Queen? Façam a vocês mesmo perguntas deste tipo. Vai-vos ajudar a ver o mundo doutros angulos. Boa?



 
Lixo.
O camião do lixo será um instrumento musical? Claro.
Porquê? Não sei.



 
Política vs Musica.
Apetece-me falar mal do Alberto João Jardim. Mas como os posts deste blog têm de estar minimamente associados à música, como fazer? Simples. Quem não se lembra das figuras tristes que esta personagem faz todos os anos à frente das camaras (e nas costas delas também) no Carnaval da Madeira. No qual ele gasta todo o dinheiro que lhe dão, que supostamente era para desenvolver o arquipélago? Suponho que, toda a gente...mesmo.
A questão é simples. Se este gajo fosse julgado no Texas, era condenado à morte, por apedrejamento, cadeira electrica e enforcamento... ao mesmo tempo. É uma ofensa à inteligencia do Jorge Coelho (o politico mais burro num raio de 9000km). Gajos destes deviam ser usados como cobaias nos projectos da N.A.S.A., em vez dos macacos (que por acaso até são mais inteligentes que ele). O gajo que faça de duplo nos filmes de terror, mas sem máscaras. Que mal fiz eu ao meu país para merecer ser vizinho dum gajo destes? Será deste blog? Se fôr, eu paro.

Como perceberam, aquilo do carnaval, era só um pretexto para associar o Bicho a música, e para, por consequente, falar mal deste. O João Jardim, no fundo é uma símbolo incontornável do Carnaval da Madeira, e arredores. Ora merda.



 
A homosexualidade num concerto ao vivo...
Onde existe homosexualidade num concerto?
- Nos músicos que se fazem olhinhos uns aos outros constantemente enquanto tocam em instrumentos grandes e finos. Ou quando tocam nos instrumentos uns dos outros;
- No público que assiste a um concerto e que toca nos rabos uns dos outros e gincha como se tivesse a ter o melhor orgasmo da vida;
- Nos seguranças do paradise garage que insistem em apalpar o pessoal que está a fazer crowd surfing;
Acho que é só... Até ao próximo concerto.



 
Mars vem-te
Aconselho a todas as mentes sensíveis e cabeludas a dirigirem-se ao paradise garage, não para ver o DJ Pina, mas sim para ver uma banda de rock progressivo como há poucas por aí: Mars Volta. A consumir com moderação, aos sábados, em jejum entre as 22h e as 23h.



 
Sucesso genital
Já que se introduziu o problema do sucesso genital. O que acham do sucesso genital da britney spears?



 
Falando em sexo...
Porque de sexo se trata.
Daí haver carros com número de telefone colado a dizer "trata". Trata-se de sexo no carro. Adiante...

Já não se engata ninguém a inventar. Inventar não ergue nada nem ninguém (sobretudo nada). Mal alguém sequer imagina algo, considera a possibilidade de ir para a cama com alguém com essa ideia. Digamos que a criação de um instrumento musical não está no top ten do sucesso genital.



 
Falando em humanidade...
Não vos parece que a humanidade está perdida musicalmente falando? Que merda de humanidade é esta que parou de inventar instrumentos há 1 século? Pode-se dizer que os instrumentos electricos são instrumentos? O TANAS! Para isso a minha perna a mandar biqueiros na parede também é instrumento! Já repararam na preguiça em que todos nós entrámos? Já ninguém inventa nada (quando aínda há muito para inventar). Todos se limitam a aplicar! Aplicar! Aplicar! Aplicar!
Inventem!
"A roland inventou XX". Inventou o &$%#"! Contratou um miúdo de 15 anos para misturar dois conceitos e já está. Receita milagrosa. Podem-me dizer que a guitarra também é uma mistura de conceitos. E é. Mas há conceitos e conceitos. Pegar na electricidade e juntá-la a uma guitarra, já o Watt podia ter feito no século XVIII. Agora pegar num pedaço de madeira, por-lhe cordas de nylon e fazer disso um instrumento já não é para todos.
Acho que introduzi tema para tese de doutoramento, sem querer.

Obrigado Ibanez.



 
Deveras
É uma aposta ganhadora considerar essa forma original de percussão como a origem da música.
E diria mais: o traseiro da parceira é o conceito mais aproximado do moderno bife. A partir do momento em que o bife substituiu o traseiro da parceira, terá então começado o declínio da humanidade.



 
Criações
A amizade foi um conceito criado pelo homem. A música foi um conceito criado pelo homem, enquanto dava palmadas no rabo da parceira.



 
IVA o caralho!
Visitem www.somlivre.pt e reparem no quanto são chulados nas lojas fnac com os cds importados. Mais nada.



 
..'. .''..:'...
Quando é que se lembram de inventar aparelhos hifi para surdos? Como será a vida musical de um surdo? Será que este consegue sentir uma música simplesmente ao pousar a sua mão numa coluna de som? Questões pertinentes (ou não) numa altura em que estamos prestes a entrar no século XXII, altura essa que marcará o início da prosperidade em Portugal, dos pequeninos.
Faz-se tarde, e o meu bife aínda não chegou. Não admira que não tenhamos nenhum restaurante de 3 estrelas nos guias michelin. Ou será que admira?
Chega de perguntas. Está bem?



 
Dicotomia dos barulhos
De tudo o que lembram os barulhos mundanos. A chuva lembrará o quê? A seca? Lembraria uma boa ideia?
Também funciona tocar ou fazer tocar uma música num dia de chuva.

I can see clearly now the rain is gone, no meio de uma tempestade.



 
Será chuva?
Já experimentaram gravar o som da chuva? Eu também não.



 
Euq acasser!
"Glorified Version of a Pellet Gun", e uma granda dor de cabeça para começar bem um bem-dito feriado 1º de Dezembro. E Bifes claro.



Cozinheiros:
Assador
Belerofonte
bruno

So Long:
faz-me um mail

Farewell:
A Ampola Faz Pop
A Buzina do Meu Carro é Ridícula
A Corneta
A Forma do Jazz a Vir
Alta Fidelidade
A Nicotina Do Sonho
Apatia
A Trompa
Audioescravo
Automatic Stop
Barulho
Bisturi
Cabeças de Radio
Casa de Fados
Crítico Musical
Crónicas da Terra
Drop Names
Error_404
Intervenções Sonoras
Íntima Fracção
Juramento Sem Bandeira
Live At PT
Merzbau
Music is Math
Musicalidades
O Som E A Furia
Pautas Desafinadas
Ponte Sonora
Pop Limão
Posso Ouvir Um Disco?
Queridos Anos 80
Reacções
Sociedade Harmonia Eborense
Soltas
Sons Alternativos
Sons do Quarto
Templo Da Música
The Pirilampo Mágico Project

Auf Wiedersehen:
A Arte do Abismo
Abril 74
Anna's Planet
Auhh Viva as nossas grandes noites!!!
A Kathleen Gomes é um Boi
Ambientalistas
Arte & Manhas
Bicho Mau
Blog Social Português
Borboletas Na Barriga
Cacaoccino
Cagalhoum
Carapau de Corrida
Cimbalino
Entre Histórias
Haika Game
Eu é Mais Bolos
Gato Fedorento
Kaput
Lua
Marretas
Montra de Premios
Nimbypolis
Nothing Nice To Say
OlivroMorreu
Ovelha Negra
Sobre Tudo e Sobre Nada
Tromba
Truta Assada
Vamos Lixar Tudo
Where Lovers Mourn
Where I End And You Begin
Zoociedade


Good Night:
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004



Powered by Blogger Site Meter